Art Rua 2015 - Cobertura Inglez / by Hugo Inglez

Estava dando banho nos bichinhos quando o Araripe ligou. Do abrigo da mamãe ursa em Jacarépaguá até o galpão na Zona Portuária, numa sexta-feira chuvosa de saída para o feriado.

- E traz tuas paradas que você não vai sair mais daqui. - avisou com sua voz grave de café e cigarros.

Achei que estivesse se referindo ao trânsito.

Demorei um pouco menos pra chegar do que o Enivo e Tinho, que vieram de carro de São Paulo. Os dois adiantados na pintura, Tinho já na impressionante metade para frente do seu impressionante persona de remendos. Iria para Roma segunda-feira. Eu só me perguntava se ele não precisava de stencil pra fazer essas padronagens.

 Não. É à mão mesmo.

Não. É à mão mesmo.

 Acho que o Biano foi o único a participar de absolutamente todos os painéis. Ainda pegou um carrinho. Ou dois. O cara era tanta atividade que eu perdi acompanhamento.

Acho que o Biano foi o único a participar de absolutamente todos os painéis. Ainda pegou um carrinho. Ou dois. O cara era tanta atividade que eu perdi acompanhamento.

Tinho e enivo pareciam zumbis artistas pintando virados no automático. Os irmãozinhos SRC e MZ da QPasa? já haviam passado para envelopar dois carrinhos elevatórios, e o Dória da Casa7 pegando o terceiro.

A Feira nem perto de começar e já na quarta marcha do créu.

 Skate foi o passatempo número 1 da produção.

Skate foi o passatempo número 1 da produção.

Meu briefing simples e perfeito: total liberdade para registrar o que eu quisesse quando quisesse. Coordenaria a captação com o monstrão do Dudu Llerena, que chegou com uma equipe inteira no método e mala de equipamentos, e a publicação do material com a Mari Goulart, que passou a senha do Instagram e colocou o laço dourado na minha liberdade de visão.

Montei base atrás da caixa de som e acabei assumindo a responsa de seletor musical da produção dos painéis, que animou de vez nos dias seguintes com a chegada do resto do time de paulistas cascagrossa. O Zeh Palito revesava entre imprimir sua alma multicolorida no painel, assumir a selecta musical com seu aplicativo de CDJ e emplacar passinhos de grande suíngue com a Mag.

 Ligia a guru da produção pediu pra eu tirar foto do sobrinho dela ajudando na pintura. Seupedidoéumaordem.

Ligia a guru da produção pediu pra eu tirar foto do sobrinho dela ajudando na pintura. Seupedidoéumaordem.

 O único problema do Zeh Palito é que ele trabalhava no horário do morcego. A cada manhã que eu chegava ele havia adiantado quilômetros de pintura.

O único problema do Zeh Palito é que ele trabalhava no horário do morcego. A cada manhã que eu chegava ele havia adiantado quilômetros de pintura.

 O Danilo foi esperto e fez eu matar logo a foto do painel dele. Ainda batemos um pega de carrinho.

O Danilo foi esperto e fez eu matar logo a foto do painel dele. Ainda batemos um pega de carrinho.

 A travessia da lagarta à borboleta.

A travessia da lagarta à borboleta.

 O artista é a criança é o artista é a criança...

O artista é a criança é o artista é a criança...

Sobre a Mag, vou te dizer uma coisa sobre a Magrela - que ser humano que artista. Não ouvi um pio de discurso feminista da boca dela. Ouvi um riso solto e espírito leve, tímido e companheiro. Ouvi dos outros artistas sobre os picos barrapesada que ela pega sozinha em São Paulo. O que ela tinha a falar sobre a posição e força da mulher na sociedade, ela discursou no painel, com conhecimento, profundidade conceitual e uma técnica de cair o queixo.

Falar menos. Falar em arte ou não dizer.

E ter a humildade e maior sabedoria de prestigiar os pioneiros. Como foi legal notar que não existe essa de rivalidade entre os paulistas. Existe sim é muito conhecimento e respeito à história das ruas. A reverência da Mag e dos outros ao Onesto, algo comovente. Mais de 20 anos de correria, uma lenda da primeira geração do graffiti brasileiro.

- Primeira geração nada. Geração atual, de quem continua evoluindo.

Como todo artista que não tem mais nada a provar, um cara simples e gente fina até dizer chega, que preserva sua imagem e me ensinou como diferenciar um grafiteiro das antigas e da nova geração, apenas pelo estilo de manuseio do spray. 

A nova geração pinta mais parada, com detalhismo executado no movimento de punho e pressão no cap. O estilo dos pioneiros mais plástico. Quem precisava tirar resultado da antiga Colorgin aprendeu a usar o corpo inteiro em movimentos amplos, fluídos e instintivos.

 A Mag definitivamente manja dos paranauê.

A Mag definitivamente manja dos paranauê.

Lindo o estilo do Onesto. E do Titi, que só para pra pensar. Repensar nunca. Ele entra num estado meio catártico e passa essa inquietude para sua arte. Não lembro quem perguntou por que ele pintou um homem tomando uma imensa vaca. Mas a resposta eu lembro:

- Não é uma vaca, é a vida.

E é mesmo. Transformar tombos em crescimento, adversidade em arte. Arte em família. A feira inteira o Titi acompanhado de sua esposa e filho. Assim como o Alto Contraste. O arsenal de stencil do casal Lee e Lou só não mais impressionante do que o entrosamento em família. O Caio um garoto meigo que se divertia sob os cuidados da irmã, a artista responsável pela obra mais significativa da minha coleção nos últimos tempos (mas isso eu conto melhor lá no final).  

 Salvei essa foto da escuridão porque o momento foi lindo (eles nem sabem que eu pesquei). Uma emergência de família devolveu o AC à São Paulo de forma prematura. Antes eles precisavam terminar o painel, afinal trabalho é trabalho, então o Lou passou a noite confortando a Lee, enchendo ela de carinho enquanto empilhavam cabeças.

Salvei essa foto da escuridão porque o momento foi lindo (eles nem sabem que eu pesquei). Uma emergência de família devolveu o AC à São Paulo de forma prematura. Antes eles precisavam terminar o painel, afinal trabalho é trabalho, então o Lou passou a noite confortando a Lee, enchendo ela de carinho enquanto empilhavam cabeças.

 Os artistas precisavam fazer uma foto para a imprensa. Unânimes sobre qual mural deveria ficar ao fundo. Acho que a forma de todo mundo dizer ao AC que eles continuariam presentes. O Rio precisa urgente desse companheirismo que fortalece bem mais uma cena do que a rivalidade.

Os artistas precisavam fazer uma foto para a imprensa. Unânimes sobre qual mural deveria ficar ao fundo. Acho que a forma de todo mundo dizer ao AC que eles continuariam presentes. O Rio precisa urgente desse companheirismo que fortalece bem mais uma cena do que a rivalidade.

À medida que os painéis ficavam prontos e os artistas cobriam de tags e miniartes os barracos na favela-mundo do painel do Enivo, o resto dos amigos chegava para a montagem das galerias. Maravilhoso reencontrar os mineiros do Quartoamado e o resto do bonde do Bozó, precipitando em Nuvem com a infinita simpatia nordestina.

A essa hora eu já resumido a um espírito em chamas dentro de um corpo movido ao café das incansáveis Paloma e Fabi. Mas se a Ligia não parava, e tampouco o Vini e a Bel e a Mari, e sequer a pequena princesa Martina, que revesava entre os colos da mãe e do Joá, sempre com um sorriso no rosto e olhar curioso, então que se dane meu dedão avisando que não posso mais beber nem andar. Ou pega a câmera ou a furadeira, para subir o estande da Novecinco.

E que comece a feira com tudo o que tem direito. Que venha com a bruxaria tecnológica do João Whitaker no estande da Noo e a bruxaria sensorial do SNSTSIA na salinha vermelha escondida. Que venha com a outra salinha escondida por uma cortina vermelha, com o erotismo conceitual do W.Baglione e da Thalita Rossi. 

Que venha com as galerias de novos irmãos da Ponder70, Verve e Kingcap, com a tonelada de gravuras do Mateu Velasco, a poesia microroteirizada da Lau Guimarães, a positividade do Felipe Guga e a sensualidade das pinturas em pastel da Gio Simões. 

Que venha com os grafiteiros da Providência mostrando força num estande deslumbrante.

 Dentro de cada um desses espaços montou-se um sonho em batalha para se consolidar viável.

Dentro de cada um desses espaços montou-se um sonho em batalha para se consolidar viável.

 O Pantônio passou dias inquieto à espera da montagem da estrutura de sua empena. A chuva só deu trégua depois da feira (ele está pintando agora para quem quiser conferir).

O Pantônio passou dias inquieto à espera da montagem da estrutura de sua empena. A chuva só deu trégua depois da feira (ele está pintando agora para quem quiser conferir).

 Mas bastou uma folha de compensado e sem mais tempo ruim para o Antônio.

Mas bastou uma folha de compensado e sem mais tempo ruim para o Antônio.

 A MF monta os estandes mais elegantes e é minha companheira do coletivo Veneno da Obra. Também foi responsável por me salvar a carona todos os dias de produção. Seu carrinho todo errado nos documentos mas pleno de troca, primeiro com Enivo e Tinho no bonde, depois só nós dois e as altas ideias que permaneciam florindo até a manhã seguinte.

A MF monta os estandes mais elegantes e é minha companheira do coletivo Veneno da Obra. Também foi responsável por me salvar a carona todos os dias de produção. Seu carrinho todo errado nos documentos mas pleno de troca, primeiro com Enivo e Tinho no bonde, depois só nós dois e as altas ideias que permaneciam florindo até a manhã seguinte.

 Brusk e Emma chegaram da França para pegar a outra empena (também estão pintando agora na Zona Portuária). O Brusk em busca de uma inspiração para rascunhar. Eu tinha pouca sobrando mas dividi, porque é dividindo que se soma.

Brusk e Emma chegaram da França para pegar a outra empena (também estão pintando agora na Zona Portuária). O Brusk em busca de uma inspiração para rascunhar. Eu tinha pouca sobrando mas dividi, porque é dividindo que se soma.

 Bolado até hoje com o Bozó que dançou break nessa beca e não me chamou pra registrar.

Bolado até hoje com o Bozó que dançou break nessa beca e não me chamou pra registrar.

 Quartoamado pensando sua residência relâmpago.

Quartoamado pensando sua residência relâmpago.

 Novecinco naquela mistura habitual de trabalho, divertimento e cansaço. Cadu descobriu que seu talento está na furadeira e decidiu abandonar a faculdade de marketing. Vou convidá-lo para integrar o Veneno da Obra.

Novecinco naquela mistura habitual de trabalho, divertimento e cansaço. Cadu descobriu que seu talento está na furadeira e decidiu abandonar a faculdade de marketing. Vou convidá-lo para integrar o Veneno da Obra.

 Numa salinha escondida o Boa Noite preparava seu mapping disfarçado de feng shui. Eu fazia a cabeça na escada assistindo à essas doideras.

Numa salinha escondida o Boa Noite preparava seu mapping disfarçado de feng shui. Eu fazia a cabeça na escada assistindo à essas doideras.

 Olha a bruxaria menino!

Olha a bruxaria menino!

 Selfie coletiva no sensor de movimento do Tintasolta.

Selfie coletiva no sensor de movimento do Tintasolta.

 Com a irmãzinha da Luna não tem essa de botar a cara para foto. Sem problema, registro underground a especialidade da casa.

Com a irmãzinha da Luna não tem essa de botar a cara para foto. Sem problema, registro underground a especialidade da casa.

 A Lau sempre meio bolada de cobrir as pixações nos portões. Tentei tranquilizar dizendo que pixo ao nível do chão não é aquele para se guardar muito apego. Mesmo assim, interessante perceber o respeito entre dois estilos diferentes de arte escrita.

A Lau sempre meio bolada de cobrir as pixações nos portões. Tentei tranquilizar dizendo que pixo ao nível do chão não é aquele para se guardar muito apego. Mesmo assim, interessante perceber o respeito entre dois estilos diferentes de arte escrita.

 A criançada foi o primeiro bonde a correr para visitar o espaço pronto.

A criançada foi o primeiro bonde a correr para visitar o espaço pronto.

 Tio Tizil e os miudin.

Tio Tizil e os miudin.

 O resto do tempo ele passou transformando leite de rosas em rosa carne.

O resto do tempo ele passou transformando leite de rosas em rosa carne.

 Criançada aprendendo sobre a vida.

Criançada aprendendo sobre a vida.

 E sobre a Novecinco.

E sobre a Novecinco.

 Sentei com eles para assistir ao espetáculo do Fiotim.

Sentei com eles para assistir ao espetáculo do Fiotim.

 Um belo espetáculo de homenagem circense, diga-se de passagem.

Um belo espetáculo de homenagem circense, diga-se de passagem.

 Muito respeito a quem mantém um possante tunado como esse.

Muito respeito a quem mantém um possante tunado como esse.

 O grande fotógrafo de skate olha para a foto. Ela não. Ela quer que se dane esse cara chato com a câmera.

O grande fotógrafo de skate olha para a foto. Ela não. Ela quer que se dane esse cara chato com a câmera.

 O marginal por trás dessa outra câmera tem uma seleção das mais impressionantes sobre o início da cena de rua paulista. Acompanhar os registros raros da evolução do Herbert Baglione e companhia foi um dos maiores aprendizados da feira.

O marginal por trás dessa outra câmera tem uma seleção das mais impressionantes sobre o início da cena de rua paulista. Acompanhar os registros raros da evolução do Herbert Baglione e companhia foi um dos maiores aprendizados da feira.

 Cabron enfurnado por dias na montagem do SNSTSIA. Trabalhando como pode.

Cabron enfurnado por dias na montagem do SNSTSIA. Trabalhando como pode.

 Claudinha da Nuvem o tipo de pessoa que te dá vontade de dobrar o mapa só para Recife ficar mais perto.

Claudinha da Nuvem o tipo de pessoa que te dá vontade de dobrar o mapa só para Recife ficar mais perto.

 A Gio passou a produção inteira aflita. A parede do seu estande chegou com as medidas erradas trocentas vezes, o menor dos problemas. Suas obras só chegariam no Rio aos 45 do segundo tempo, e tudo que ela podia fazer era colar a padronagem de ladrilhos e esperar pelo melhor. No fim o Killian chegou para deixar tudo certo e abrir o sorriso que cabe tão mais bonito no rosto dela.

A Gio passou a produção inteira aflita. A parede do seu estande chegou com as medidas erradas trocentas vezes, o menor dos problemas. Suas obras só chegariam no Rio aos 45 do segundo tempo, e tudo que ela podia fazer era colar a padronagem de ladrilhos e esperar pelo melhor. No fim o Killian chegou para deixar tudo certo e abrir o sorriso que cabe tão mais bonito no rosto dela.

 Tá valendo a brincadeira? Não? Agora já foi. Só por causa da ideia massa que trocamos sobre a incompletude do ser.

Tá valendo a brincadeira? Não? Agora já foi. Só por causa da ideia massa que trocamos sobre a incompletude do ser.

 Isso foi o mais vazio que consegui pegar o estande da A7MA a feira inteira. Justíssimo. Subir o clássico mosaico de obras não é fácil.

Isso foi o mais vazio que consegui pegar o estande da A7MA a feira inteira. Justíssimo. Subir o clássico mosaico de obras não é fácil.

 Não falei que a Venenin monta os estandes mais elegantes? Mal posso esperar pra ver o espaço novo dela na Bhering (já fazendo propaganda subliminar).

Não falei que a Venenin monta os estandes mais elegantes? Mal posso esperar pra ver o espaço novo dela na Bhering (já fazendo propaganda subliminar).

 A participação da Novecinco esse ano foi doceamarga. Prefiro me ater ao doce que são meus parentes de luta, que esse ano me cobriram brabo na produção. Faltou a Miúda que precisou voltar correndo para o Zico. O amargo eu deixo pro webdrama da vida.

A participação da Novecinco esse ano foi doceamarga. Prefiro me ater ao doce que são meus parentes de luta, que esse ano me cobriram brabo na produção. Faltou a Miúda que precisou voltar correndo para o Zico. O amargo eu deixo pro webdrama da vida.

 Nosso vizinho disparado o estande mais alegre da feira.

Nosso vizinho disparado o estande mais alegre da feira.

A feira foi só alegria? Não, porque nada real é só alegria, o Titi ensinou. Galerias que na minha opinião melhor pertenceriam à feira do outro lado, onde as artes possuem maior valor e significado men... diferente. Apesar da produção visual finíssima, o som da festa não vingou, pois todo mundo em busca de um groove. E o lance com o Villas foi uma merda mesmo, ele era nosso vizinho de estande e distribuidor de sorrisos, sua simpatia fez falta durante a feira.

Mas se nada real é só alegria, muito menos a rua. E aí vem o ponto - você pode sempre dizer que a rua não estava representada, por causa dos artistas que ficaram de fora. Ou então pode entender que nenhum espaço físico é capaz de compreender toda a extensão de esquinas da cidade.

Mas te garanto que a produção tentou. Durante a semana anterior à feira novas iniciativas eram confirmadas todo o dia. Todo o santo dia. A Ligia até pediu desculpas pela quantidade de emails. Quem queria somar de verdade, a produção tentou agregar. O resultado foi interessante, com ações acontecendo por todo o lado, sem maior anúncio, em cantinhos escondidos, feitas para quem o acaso decidisse mostrar, e para quem empregasse melhor sua curiosidade bisbilhoteira. Do mesmo jeito que acontece.... na rua. 

Você pode dizer que o evento pra playboy por causa da cerveja e comida caras, ou perceber que a gastronomia também foi selecionada pela arte na feitura - e seu devido valor. O arroz de costela, nossa senhora mãe do céu. 

Mas os ambulantes do lado de fora não foram incomodados. Pelo contrário, você podia consumir o produto deles abrigado da chuva na entrada do galpão, entrar de graça, sair, beber mais, e entrar de graça de novo. Democrático feito... a rua.

Você pode dizer que a cena vendida, ou celebrar que a cena vendendo, e graças a deusa conseguindo sobreviver na luta.

Você pode ter seu websucesso dizendo que o jornalismo comprado para falar bem do evento, e ficar sem entender quando alguns parágrafos acima o fotojornalista contratado pelo evento enumerar os problemas que presenciou.

Total liberdade é o respeito à liberdade total.

 O SNSTSIA uma das muitas experiências escondidas pelo galpão. Uma senhora experiência, dá para perceber pela expressão da criançada.

O SNSTSIA uma das muitas experiências escondidas pelo galpão. Uma senhora experiência, dá para perceber pela expressão da criançada.

 Peraí, o que a Flor e o Caio do Alto Contraste estão fazendo nessa foto, se tiveram que voltar correndo para São Paulo?

Peraí, o que a Flor e o Caio do Alto Contraste estão fazendo nessa foto, se tiveram que voltar correndo para São Paulo?

 Freak em família. E espaço para todas as bandeiras, porque não existe competição quando cada um faz o seu.

Freak em família. E espaço para todas as bandeiras, porque não existe competição quando cada um faz o seu.

 A seleção de bandas foi bem interessante. Muita gaita, muito folk, muito Johnny Cash e experimentalismo.

A seleção de bandas foi bem interessante. Muita gaita, muito folk, muito Johnny Cash e experimentalismo.

 E muito movimento.

E muito movimento.

 Você pode dizer que a cena musical de rua não foi representada, ou apreciar a voz de trovão da Alma Thomaz reverenciando as grandes divas negras do soul.

Você pode dizer que a cena musical de rua não foi representada, ou apreciar a voz de trovão da Alma Thomaz reverenciando as grandes divas negras do soul.

 Digam o que quiserem desse cara, só o que presenciei dele e do Araripe foi uma vontade genuína de fazer acontecer e deixar acontecer.

Digam o que quiserem desse cara, só o que presenciei dele e do Araripe foi uma vontade genuína de fazer acontecer e deixar acontecer.

 A Nitú foi responsável por um dos momentos mais especiais. Estava no estande da Novecinco quando comecei a ouvir uma carismática melodia. Ela falou Heavy Baile? Sim, ela está cantando "foi no Heavy Baile que eu te vi, foi no Heavy Baile que eu te conheci". Já tem banda fazendo cover em São Paulo. Nova MPB consolidando o novo funk como fenômeno cultural. Vou parar por aqui. Muito orgulho de ter parte na criação dss prr.

A Nitú foi responsável por um dos momentos mais especiais. Estava no estande da Novecinco quando comecei a ouvir uma carismática melodia. Ela falou Heavy Baile? Sim, ela está cantando "foi no Heavy Baile que eu te vi, foi no Heavy Baile que eu te conheci". Já tem banda fazendo cover em São Paulo. Nova MPB consolidando o novo funk como fenômeno cultural. Vou parar por aqui. Muito orgulho de ter parte na criação dss prr.

 Quinteto Nuclear fechando a maravilhosa baguncinha musical.

Quinteto Nuclear fechando a maravilhosa baguncinha musical.

 Se lembra do Alto Contraste? Então, o compromisso-perrengue em São Paulo foi adiado, e na mesma hora eles pegaram um ônibus para voltar ao Rio. A família quebrando cabeça para tirar uma foto do painel sem destacar nenhum integrante. Larguei tudo e desci correndo para fazer a foto. Essa eu fiz questão. Ninguém vai ficar de fora.

Se lembra do Alto Contraste? Então, o compromisso-perrengue em São Paulo foi adiado, e na mesma hora eles pegaram um ônibus para voltar ao Rio. A família quebrando cabeça para tirar uma foto do painel sem destacar nenhum integrante. Larguei tudo e desci correndo para fazer a foto. Essa eu fiz questão. Ninguém vai ficar de fora.

 Mais de 40 mil pessoas prestigiando uma cena que permanece marginalizada a maior parte do resto do tempo. Para quem está todo dia na correria, isso é arrepiante.

Mais de 40 mil pessoas prestigiando uma cena que permanece marginalizada a maior parte do resto do tempo. Para quem está todo dia na correria, isso é arrepiante.

 Não sou muito de fila. Não compartilho da atração enrustida que todo brasileiro tem por elas. Na verdade, detesto. Mas uma fila assim, dobrando quarteirão sob guardachuvas para apreciar arte urbana. Essa fila tem muito significado, sou agradecido a cada pessoa nela.

Não sou muito de fila. Não compartilho da atração enrustida que todo brasileiro tem por elas. Na verdade, detesto. Mas uma fila assim, dobrando quarteirão sob guardachuvas para apreciar arte urbana. Essa fila tem muito significado, sou agradecido a cada pessoa nela.

 O 8bitch um projeto recente de um casal especial. Eles não tinham a menor perspectiva de tirar sustento disso, uma iniciativa espontânea baseada puramente no amor à arte. Mas depois de terem vendido TODAS as obras, a Maria Carol e o Luca agora tem um caminho a acreditar. A cidade agradece, pois com certeza vai receber mais pixels.

O 8bitch um projeto recente de um casal especial. Eles não tinham a menor perspectiva de tirar sustento disso, uma iniciativa espontânea baseada puramente no amor à arte. Mas depois de terem vendido TODAS as obras, a Maria Carol e o Luca agora tem um caminho a acreditar. A cidade agradece, pois com certeza vai receber mais pixels.

Já fui uma pessoa negativa. Até decidir enxergar as coisas sempre pelo caminho do bem, pois nele há menos perigo de ingratidão. Detestaria ser ingrato com as pessoas incríveis que conheci e tanto me inspiraram. Não suportaria ser ingrato com as duas meninas que me elevaram, a primeira com superação além da minha compreensão momentânea, a segunda, chamada Flor, com outro gesto simples e imenso.

A Feira acabou e todos na prorrogação energética para desproduzir os estandes. Foi quando a filha do Alto Contraste começou a presentear os artistas com duas séries de prints que ela produziu. Quando me dei conta, artistas urbanos consagrados posando para fotos com as artes da Flor. Após 10 dias de trabalho extenuante com resultado monstruoso, o maior orgulho de todos ali foi ter recebido esse presente.

Não fui chamado para defender ninguém, tampouco maquiar a verdade das coisas. Tento ser o mais imparcial possível dentro da parcialidade de emoções que as experiências me causam. E guardo um hábito de só julgar algo pelos detalhes imperceptíveis.

No fim, sabe o que me confirmou que o Art Rua é a vera? A obra mais valiosa da maior feira de arte urbana do país, com painéis gigantes, inúmeras galerias e artistas; a obra mais valiosa foi a série de pequenos desenhos de uma menina de 12 anos, distribuída sem contrapartida, com base apenas em carinho. Como agradecimento.

Para mim, isso resume a mais pura essência da arte de rua.

Obrigado a todos que inflamaram meu espírito como um balão apaixonado ao alto. Só tenho palavras e algumas fotos para agradecer, mas o melhor que tenho em mim.

Ah, e tem vídeo também. Até parece que vou deixar me enquadrar em alguns capítulos de 15 segundos.

Mas esse outro presente fica para semana que vem.

Vida longa Art Rua.

H.I.