Coito Interrompido (Hugo Inglez X 8-bitch project) / by Hugo Inglez

COLAGEM_8BITCH_1.jpg

isso não é uma mulher. isso não é um ser humano. isso é uma semi-deusa além, evoluindo diariamente para se libertar do ‘semi’.

quanto a mim, o cara mais sortudo do mundo. o escolhido.

não. você não é o mais de nada. devaneios de grandeza. você apenas um aprendiz de uma Mestra Iluminada trazida aà existência para levá-lo pela trilha da Otimização de Vida.

em um exercício espontâneo, tentou se lembrar do Gabriel antes de conhecê-la. o ser humano primário, fora do eixo, ignorante das mais profundas verdades, o patético homem que acordava todo dia para trabalhar, almoçar atum enlatado com ovo cozido no marmitex, voltar para casa e assistir Netflix com uma pizza ou um sanduíche de o-que-fosse-mais-fácil-de-preparar-na-geladeira.

o ser indigno da sua própria existência, que comia carne e gluten, e bebia cerveja, e fumava ocasionalmente um Marlboro light e possuía uma agenda produtiva que se iniciava e encerrava com o expediente.

ambicioso como... qualquer ser humano... básico.

muito muito longe de vir a ser alguém.

quanta diferença. você hoje cada vez mais próximo de se tornar maior que si. um longo caminho de aperfeiçoamento conduzido por aquela Musa de corpo, mente e espírito já tão próximos da perfeição.

e só a Perfeição importa. a única busca que existe.

tornar-se um ser mais que humano. perfeito E produtivo E com tempo para se matricular no crossfit.

por isso, não goza. se concentra no teu chi sexual porra. ou desfoca. sei lá. mas não goza.

lembra que já faz dois meses que você um praticante tântrico, recebendo massagens no seu Lingam quase que diariamente para trabalhar sua retenção de sémem. já era para você estar desconectando orgasmo e ejaculação. vendo assim, até parece que as sessões de estímulo do teu Sacred Spot servem apenas para hidratar e irrigar seu cólon com a chuca de óleo de amêndoas orgânicas.

(óbvio que manter um cólon limpinho e hidratado, bem como uma próstata estimulada, é tudo parte fundamental de uma vida em Bem-Estar. mas mesmo assim).

fazer as coisas só por fazer, sem alcançar o bem agregado, é o mesmo que não fazer porra nenhuma. o mesmo que regar os brotinhos sem conversar palavras bonitas a eles.

então não goza porra. ou goza mas não ejacula. você não tem a menor ideia como isso é possível, mas já era para estar realizando. não existe nada mais desapontante do que uma evolução lenta por meio de uma ejaculação precoce.

recorre ao seu animal sacrado, sei lá. mas não ejacula porra. recorre à energia ancestral dos Cristais Essenciais espalhados pelo quarto. recorre ao seu mantra que você só lembra a primeira metade. apela para o cheiro doce e onipresente do incenso maia-quiché que você sempre odiou mas recentemente adora.

ou então pensa nos filhotinhos de animal sagrado mortos. dane-se. filhotinhos sagrados todos carbonizados num imenso incêndio de fumaça de incenso. problema resolvido.

‘problema’ nao - infortúnio passageiro. agora vai começar a relapsar na Programação Neurolinguística também?  ta desenvoluindo amigão?

desenvolução nunca. mas é difícil cara, difícil para um caralho. essa Perfeição da Natureza montada e rebolante, expremendo seu Lingam como se fosse uma salsicha vegana. lábios de poder divino, trabalhados naquele maldito ovo yoni de quartzo rosa energizante da Gwyneth Paltrow.

maldito não, que a culpa não é da Gwyneth Paltrow e muito menos da yoni musculosa da sua noiva. a culpa é sua e apenas sua. culpa não – responsabilidade.

Webp.net-gifmaker (1).gif

mais 4 minutos, ela avisa. aproximadamente. mais 4 minutos para ela atingir o Clímax Sagrado, afinal ela ainda precisa meditar, separar as sementes não germinadas para o jantar macrobiótico, energizar a água do chá no filtro de jade, mentalizar pensamentos positivos para os sais de banho, tomar banho, secar organicamente à lua nova, postar um pensamento inspirador nas redes sociais e ir comprar o leite de cabra para a limpeza de 8 dias envolvendo leite de cabra, prana solar, silêncio, meditação e um aplicativo de mindfulness ma-ra-vi-lho-so que foi lançado mês passado na Apple Store.

e você precisa acompanhá-la ao mercado biológico, afinal não te permitiram ir descalço ao trabalho e sua Mestra ensinou o grande valor energético e espiritual de se conectar à Mãe Terra pelo contato direto entre pés e pavimento.

sua grande Tutora de Vida estava tão avançada na conexão com Gaia que até para o triathlon ela dispensava os calçados, esses produtos industrializados sem alma, cheios de borracha e karma dos milhares de trabalhadores explorados na Ásia.

os pés dela não eram esteticamente dos mais bonitos. mas vividos, orgânicos, calejados. pés sustentáveis. pés de guerreira verde.

‘quero compartilhar minha endorfina diretamente com a energia do planeta’, dizia ela, em sua imensa sabedoria abnegatória, enquanto raspava as solas grossas com uma lixa biodegradável.

enquanto isso, eu ainda cansado e calçado tentando uma meia maratona. eu ainda pensando em filhotinhos de animais sagrados mortos para manter meu sémem retido. que vergonha.

mais 3 minutos. se eu estava me preparando para climaxarmos juntos?

eu pronto faz uns 5 minutos já. caminhando pela borda do Kundalini com meu Lingam comprimido e mal treinado.

como diria a Grande Musa, Programação é o segredo da Produtividade. e quando você pede em casamento uma triatleta descalça, cozinheira macrobiótica, professora de vida, instrutora de yoga nua e semi-deusa do bem-estar, coisas como coito cronometrado e horários de sono coordenados à fase da lua se tornam fatos comuns e bem-vindos em sua trajetória para longe de quem você era.

em direção a quem ela espera que você seja.

seja lá quem for, desde que melhor.

e assim, faltando dois minutos para o clímax, logo após começar a saudação ao sol, ela me abraça forte e recita algumas palavras indecifráveis (eu imagino que um mantra).

então ela relaxa.

será que minha Grande Mestra se adiantou?

isso significa que eu to liberado para gozar?

amor. Amor... Amor?

COLAGEM_8BITCH_3.jpg

durante o funeral, dois dias depois, Gabriel ainda perplexo se perguntava o que podia ter acontecido. sua futura esposa, vegana muito antes da primeira câmera ativista de celular entrar num matadouro para registrar pintinhos moídos. sua noiva, triatleta, saudável até o último dado do exame de sangue. sua Grande Mentora, consciente, plena e programada em relação ao que desejava da vida (para ela E para ele).

e assim do nada, faltando dois minutos para um lindo Clímax Tântrico, aos 32 anos de uma vida iluminada e purificante, vem um derrame mortífero para levá-la sem maiores explicações. ainda montada nele, com a yoni ainda pressionando seu Lingam, a despeito do relaxamento estático do resto do corpo.

após o trágico velório, após os cantos shamânicos de mãos dadas para que o espírito de sua noiva encontrasse o caminho da reciclagem energética. após a recepção de finger foods veganos com vozes de luto meditando sobre a imprevisibilidade de nossa existência.

naquela noite, depois de tudo isso, sentado em seu apartamento agora vazio de vida mas ainda lotado de cristais e brotinhos, ainda impregnado com a porra do aroma enjoativo de incenso, apenas uma coisa fazia sentido na cabeça do Gabriel.

fez a ligação.

‘sim, grande. isso, pepperoni extra. e borda de queijo, por favor’.

h.i.

/////////////////////////////////

Coito Interrompido é uma colaboração entre Hugo Inglez e a artista Maria Carol Mello, do 8-bitch project

A crônica foi inspirada na matéria "Improving Ourselves to Death", de Alexandra Schwartz para a revista The New Yorker, e é baseada em uma história real.

A colaboração se completou com esse vídeo do 8-bitch sobre o processo de produção das artes/

Colagens para Bem Estar

Créditos:

- Crônica por Hugo Inglez

- Colagens por Maria Carol Mello / 8-bitch project

(Colaboração / Crônica Não-Ficção / Colagem / Saúde e Bem-Estar)