sem título / by Hugo Inglez

namorar escritor é foda. de quem esse cu que ele falando?, que o meu não é. o meu ele nunca pediu, então de qual ex namorada essas pregas que ele escrevendo, será que ele tem amante, será que eu pergunto, será que doeu?

namorar escritor seria um pouco menos foda, se fosse escritor mesmo. mas para ser escritor não precisa ter publicado? não é tipo dizer que é advogado sem ter oab? se não existe livro nenhum, só um blog e o facebook, então ele não é escritor, só um cara que escreve, e crônica, meio e formato próximos demais da verdade para eu responder aos meus amigos que é só ficção gente, ele é escritor.

esse cu é inventado. esse cu nunca existiu além das palavras.

ele comendo um rabo de mentirinha.

rá rá.

namorar artista é foda. seria menos foda se fosse artista de mentirinha, desses que ganham dinheiro sem suar. sem se expor. artista comercial. um guetta do pendrive, um magiezi da mulher-que-não-existe-mas-todas-acham-que-são-ela. porra, pergunta se a mulher do magiezi já deu a bunda? a mulher dele não deve nem cagar. deve se alimentar de luz e transpirar aura com glitter.

por que eu não posso ser a musa de um poeta comercial? por que eu tive que escolher logo um 'cara que escreve', desses cujo drive é abrir vulnerabilidade aos sete ventos? desses que não satisfeitos em dissertar sobre um cu, tem que escrever que era apertado demais então gozou na metade da primeira bombada.

se o cu inventado, ele podia pelo menos ter metido bronca, né?

agora ele vem sem título, sem aviso, sem aspas, sem juízo, sem assinar vem ele e me escreve sobre as armadilhas de um cu apertado que não o meu. quer dizer, o meu também apertado, mas nunca ninguém caiu na armadilha. nunca ninguém pediu para cair.

eu preferia quando ele apenas um advogado sem oab, com sua cerimônia e excelentíssimos. preferia quando ele guardava os demônios até de mim e se bastava como um fotógrafo "promissor", apelido carinhoso de amador com canon semi profissional clicando paisagens sobrexpostas de horizonte torto.

arte mais do que suficiente, ele tinha para meu grado.

o que ele espera conseguir com essa "nova fase"? quem tem fase nova é a lua, porra vai fazer yoga na praia e saudar a filhadaputa. não fica escrevendo só para um bando de amigo fanfa com seus 'ká ká kás leleq tu é maluco', e as mina revolt que cu é prática de machista opressor, e minha família se perguntando se o cu é meu, eu sem poder falar que não, não é meu, e o jantar desconfortável com todo mundo olhando para baixo. com cara de cu.

menos a dele. a cara dele aquele sorrisinho arrogante e debochado de escritor, que não faz concessões, que 'você não mexa na minha arte', que não explica sua obra. não põe os acentos nos u's, porque nunca publicou porra nenhuma mas escritor o suficiente para saber que não se acentua oxítona terminada em u.

já sei. vou responder à altura. vou escrever sobre quando hipoteticamente achei que ia ficar cega com uma jatada de porra no olho. assim mesmo. sem título, sem aspas, sem maiúscula, sem aviso, começando direto com um caralho será que vendem tapa olho na Zara?!

namorar escritor é foda, mas foda mesmo é quando você repara que talvez mereça o filhadaputa.

meu olho canhoto já começa a lacrimejar só de pensar no jato hipotético.